Histórias de mães - Cena 2

Narração: Tive a experiência de ser mãe aos 15 anos de idade, mesmo meus pais e avós sempre me orientando como me prevenir de gravidez indesejada, mas eu nunca dei ouvidos. Além disso, eu não conhecia o Salvador Jesus, e o meu lar era completamente desestruturado. Logo aceitei minha gravidez e tive minha filha com muito amor... era uma criança gerando outra criança... como não tinha estrutura, minha vó me apoiou e me ajudou a criar minha filha.

Aos 21 anos eu engravidei novamente.

Aos 25 anos, definitivamente não estava preparado para passar por isso mais uma vez....

Cenário - Tati e Ricardo estão se preparando para irem à festa. Eles estão animados, pois a festa promete. Tatiana está em frente ao espelho se arrumando e fala animada com o Ricardo.

Tati - Humm...Hoje a festa promete.... [fala enquanto se arruma, olhando para o espelho]

Ricardo - "Bora", Tati... vê se não demora na frente desse espelho... ontem peguei muita mercadoria...a gente tem que chegar cedo e colocar esse bagulho nas mãos da "playboyzada"... você sabe que a gente não tá bem de grana... essa "rave" é nossa chance levantar uma boa grana...

Tati - Tá Ricardo, mas não me apressa... e vê se passa pelo menos um perfume...

[nesse momento Tati se levanta e passa mal, com muito enjoo]

Ricardo - O que foi Tati... o que você tem...

Tati - não sei... minha barriga... eu acho que vou... [Tati vomita]

[Tati percebe que pode estar grávida e começa a se desesperar]

Tati - Ah! meu Deus... não é possível... não é possível que eu esteja grávida de novo... eu não posso estar grávida Ricardo... eu não dei conta dois dois filhos que eu já tive... como eu vou ter mais um filho... eu não posso ter estar grávida... eu não posso ter esse filho... eu não posso Ricardo... eu não posso...

Ricardo - Calma Tati, tenta se acalmar... fica aqui e me espera... eu preciso tomar um banho e pensar um pouco... a gente vai dar um jeito nessa situação... me espera aqui...

[Ricardo se afasta - toca uma música... depois volta e comunica sua decisão para a Tati]

Voz - Ricardo, vai na igreja do Eduardo... lá, eles vão dizer o que vocês devem fazer..

Ricardo - Tati, não fica assim... já sei o que vamos fazer .. eu conheço alguém que pode nos ajudar ... lembra do Eduardo?

Tati - Sim., aquele chato que vivia enchendo o saco da gente... aquele que não parava de mandar mensagem pra gente ir pra aquela tal de célula...

Ricardo - Ele mesmo... pois se tem alguém que pode nos ajudar é o Eduardo...

Tati - Ma aonde você vai encontrar esse cara Ricardo... faz tempo que você perdeu contato com ele...
Como você acha que vai achar esse cara...

Ricardo - Já sei Tati... faz o seguinte... tira essa roupa e coloca uma roupa decente... hoje a gente vai na igreja do Eduardo lá no Estreito... eles vão saber como nos ajudar...

[Ricardo sai de cena e Tati fala ao público]

Narração: E na gravidez que eu não queria estava por vir o amado Yago. Foi ele quem nos impulsionou a uma mudança de vida, pois uma coisa  que a princípio parecia ao meu ver ruim, que era o fato de estar grávida, se tornou na maior bênção de minha vida,a minha conversão. Resgatei minha filha e a levamos ao Revisão de Vidas...

Nos tornamos lideres naquele mesmo ano e o propósito de ser mãe ainda não tinha terminado. Decidimos ter outro filho e Ele nos abençoou com uma menina ,nossa pequena Nicole

Hoje estamos no propósito de Deus... hoje amo ser mãe... sei que somos exemplos para eles, e sei que eles nos amam estar na missão conosco, e todos anseiam por fazer discípulos .....Ser mãe hoje de quatro filhos é um grande desafio, e uma experiência atrás da outra... mas até aqui nos ajudou o Senhor e vamos permanecer firmes, cuidando de nossas famílias e todas as famílias que Ele nos der... vamos deixar Deus nos usar, para que outras pessoas tenham a chance de ter suas vidas transformadas, da mesma forma que ele transformou a minha e a de meu marido...

Histórias de Mães - Cena 1

NARRAÇÃO: Quando de sua solene decisão em criar a mulher com tanto esmero e atributos especiais, Deus certamente colocou no âmago do seu ser, algo mais – o instinto maternal. Por isso toda mulher já nasce mãe, primeiro da boneca, depois dos irmãos mais novos e primos, algumas vezes dos amigos, até gerar seus próprios filhos, onde vai exercer em toda a plenitude sua missão, e continua sua trajetória, às vezes o é do marido e depois, dos pais, nas suas velhices.
Entretanto, essa linda missão nem sempre acontece nas condições ideais. Gravidez não planejada, ausência paterna, mãe viciadas em drogas ou que precisam cumprir uma longa jornada de trabalha, são apenas alguns exemplos das mães de verdade. E é sobre essas mães de verdade que queremos falar nesta noite. Mães que passaram por várias dificuldades, mas que em algum momento de suas vidas, encontraram o apoio que precisavam, a libertação que precisavam.

CENA 1 – A Descoberta
Cenário: Sala de espera.
Personagens: Lídia, Sérgio, Doutor.
Transição: As cortinas se abrem. Os pais então sentados. O médico se aproxima e os pais se levantam aflitos.

Lídia – Então doutor... o que mostram os resultados dos exames.... É alguma coisa grave...

[o doutor faz uma longa pausa e faz-se um enorme silêncio, interrompido apenas pela insistência, agora do pai]


Sérgio – diga-nos doutor, o que o Marcelinho tem é muito grave?
Doutor – pai, mãe... vocês vão ter que ser muito fortes... ainda precisamos fazer mais exames, mas tudo indica que o problema do Marcelinho se chama hidrocefalia.

[os pais demonstram assombro e tristeza]

Lídia – ah! Meu Deus.... Como assim doutor... que doença é essa ... não é possível... o meu Marcelinho, não doutor... o meu Marcelinho não...
Doutor - Infelizmente é uma doença grave. O que acontece é o acúmulo anormal de líquido dentro do crânio, o que leva ao inchaço e ao aumento de pressão do cérebro devido a infecções.

[após uma pausa, o médico complementa a triste notícia]

Doutor – Tem mais uma coisa que preciso dizer. O pequeno Marcelo precisa passar por uma cirurgia urgentemente para que possamos controlar a pressão que a doença está fazendo na cabeça dele. Infelizmente esta cirurgia pode deixar sequelas irreversíveis. 

Sérgio - Mas quando será esta cirurgia?


Doutor - Eu vou precisar que vocês assinem a papelada para a internação e para a cirurgia. Por favor aguardem um instante. Eu volto em seguida.


[o médico se retira]

Sérgio - Amor, parece que uma grande batalhar estar por vir. Vamos ter que ser muitos fortes. Mas sabe Lídia, nada vai nos abater. Eu me lembro do que Deus falou naquela reunião de oração. Deus falou que nosso filho cresceria "de graça em graça". Deus é fiel, Lígia, Ele vai saber cuidar do nosso filho.


Lídia – Eu sei Sérgio, foi Deus quem nos Deus o Marcelinho... é Deus quem vai operar o nosso filho... um dia nós entregamos nossas vidas ao Senhor Jesus e resolvemos confiar plenamente Nele... aconteça o que acontecer como o nosso filho, esta será a vontade de Deus para a vida dele e para as nossas vidas.

[Lídia se dirige à platéia e faz a seguinte declaração]

Lídia: A partir desse dia nossos planos, projetos e perspectivas foram completamente modificados, mas não nossa confiança em Deus. Muitas internações, cirurgias, idas ao hospital, testes, tratamentos e transtornos faziam parte da nossa rotina. A hidrocefalia foi controlada com a implantação de uma válvula, mas as sequelas cirúrgicas foram desastrosas e irreversíveis:  talvez a pior delas, a surdez bilateral profunda. 

Foram grandes os esforços com Marcelo para habilitá-lo a uma vida próxima da normalidade: tratamentos, clínicas, especialistas, escolas especiais, enfrentamos dor, ansiedade, cansaço físico e emocional e, ainda as dificuldades de, há 30 anos atrás de se lidar com uma criança com necessidades especiais, sem recursos adequados, somados ao preconceito das pessoas pelo desconhecimento dos fatos envolvidos.


Os 7 primeiros anos da vida de Marcelo foram os mais desafiadores, pois a doença causou grande comprometimento motor, vindo só a andar aos 3 anos de idade, sendo que isso aconteceu em meio a uma reunião de oração. Deus em sua Infinita Misericórdia moldou a personalidade do Marcelo, e ele sempre foi uma criança alegre, cordial, afetuosa, tranquila e plenamente feliz, apesar de tudo, e de alguma forma ele compreende Deus e o poder da oração (até hoje quando está doente pede que oremos e o unjamos).

ROTEIRO – TEATRO DA PÁSCOA - Primeiro Ato - Cena 6 - O Jovem Rico

SERVO – Ainda estudando, príncipe?

JOVEM RICO – Sim... É preciso um longo tempo de estudo para memorizar as escrituras. –

SERVO – Mas hoje é um dia de festa! Seu irmão que convidou todos para festejar.

JOVEM RICO – Eu... Bem, até quero ir à festa, mas não posso.

MÃE DO JOVEM RICO – O senhor não tem mais nada para fazer do que atrapalhar, meu filho? – Não está vendo que ele está no meio de seus estudos?

JOVEM RICO – Eu estava apenas convidando-o para a festa que seu outro filho está fazendo.

MÃE DO JOVEM RICO – Meu filho não tem tempo para isso, mas obrigada pelo convite.

SERVO  – Tudo bem. Até mais.

JOVEM RICO – Eu não entendo o porquê do meu irmão poder festejar e eu não.


MÃE DO JOVEM RICO – Você não precisa de nada disso. Você tem aptidão para os estudos, seu irmão não. Um dia você será um grande mestre, entendedor das escrituras e será um homem extremamente respeitável. Mas para que tudo isso aconteça, você precisa saber todos os mandamentos, ensinamentos e coloca-los em prática. Quanto mais perto da perfeição, mais perto de Deus. 

Cenário: Ruas da cidade. O jovem rico encontra Jesus sentado, fazendo um sermão. Senta-se à frente das pessoas e fica ouvindo-o atentamente. As pessoas começaram a trazer crianças para que tocassem em Jesus, porém os discípulos não estavam deixando.

Jesus – Deixem com que os meninos venham a mim, não os impeça, porque deles é o reino dos céus. É verdade o que digo: qualquer um que não receber o Reino de Deus como menino, de maneira nenhuma entrará nele.

JOVEM RICO – Bom mestre, o que tenho que fazer para herdar a vida eterna? Por que me chamas de bom? Somente há um que é bom e é Deus. Guarda os mandamentos: Não adulterarás; não matarás; não furtarás; não dirás falso testemunho; não defraudarás alguém; honra a teu pai e a tua mãe.

JOVEM RICO – Mestre, tudo isso guardei desde pequeno.

JESUS – Falta-te uma coisa: vai, vende tudo quanto tens, e dá-o aos pobres, e terás um tesouro no céu; e vem, toma a cruz, e segue-me.

JOVEM RICO – Mas eu possuo muitas propriedades...

ROTEIRO – TEATRO DA PÁSCOA - Primeiro Ato - Cena 2 - A mulher e o sedutor

Mirian– Desse jeito os cabelos cairão da sua cabeça...

José – Vamos acabar indo a falência. Tive que pagar impostos altíssimos pelas minhas mercadorias. Veja só. É um absurdo! Não bastasse Zaqueu, aquele falso judeu, ter cobrado impostos fora do calendário, Roma ainda aumentou as taxas pela mercadoria! Como vou ajudar minha irmã doente? Ela precisa de dinheiro para pagar os médicos... Tentar achar a cura para sua doeça.

Mirian – Você está preocupado com a sua irmã? Uma imunda? – E eu? Como fico?

José – Do que você está reclamando, mulher? Tudo que me pede, te dou, mas agora teremos que viver com o básico para ajudar minha irmã.

Mirian - Ela é rica, não precisa de nossa ajuda. E eu estou precisando de joias, você prometeu que me daria...

José– Você não escutou nada que falei?  A vida da minha irmã é certamente mais valiosa que suas joias. 

[segue a cena na rua - a mulher em busca de sua joia]

Mirian– Onde será que ele colocou o dinheiro? 

Comerciante – Você não é a mulher do homem que vende tendas?
            
            Mirian – Sim, sou eu.

            Comerciante– E onde está seu marido? 

Comerciante – Viajando. Foi visitar a irmã imunda.  

Comerciante – E a senhora? O que faz sozinha no mercado? 

Comerciante – Gostaria de comprar uma joia... 

Comerciante – Então, escolha qualquer uma que desejar e eu darei a você. Não precisa pagar.   

           Mirian – Não posso aceitar.

          Comerciante– Claro que pode....E com certeza posso oferecer muito mais que seu marido.  

ROTEIRO – TEATRO DA PÁSCOA - Primeiro Ato - Cena 4 - Zaqueu em sua casa

Zaqueu – O que estou fazendo com a minha vida?

Mulher Zq – Falando sozinho, Zaqueu?

Zaqueu – Claro, já que não temos amigos ...

Mulher Zq – Não é uma vida ruim, Zaqueu... temos boa comida, casa boa e uma família saudável... e nossa filha é linda....

Zaqueu – Mas nunca seremos aceitos. O povo judeu me despreza, nos despreza...Temo por nossa filha, será vista como eu...

Mulher Zq – Ela ficará bem Zaqueu. Você  parece chateado... esteve com alguém hoje?

Zaqueu – Sim. Não foi uma conversa agradável.

Mulher Zq – Ele, por um acaso,  contou sobre um homem chamado Jesus?

Zaqueu – 
Jesus? Mas quem é esse homem?

Mulher Zq – Dizem que este homem é o Messias, o Filho de Deus ...

Zaqueu –  Ele está em Jericó?

Mulher Zq – Parece que sim.

[Zaqueu levanta-se rapidamente e sai correndo]

Mulher Zq  – Aonde vai?


Zaqueu – Saber quem é esse tal de Jesus. 

ROTEIRO – TEATRO DA PÁSCOA - Primeiro Ato - Cena 5 - O Jovem Rico

Homem 2 – Ainda estudando, príncipe?

Jovem Rico – Sim. É preciso um longo tempo de estudo para memorizar as escrituras.

Homem 2 – Mas hoje é um dia de festa! Seu irmão que convidou todos para festejar.
Jovem Rico – Eu... Bem, até quero ir à festa, mas não posso.

Mãe – O senhor não tem mais nada para fazer do que atrapalhar meu filho?. Não está vendo que ele está no meio de seus estudos?

Homem 2 – Eu estava apenas convidando-o para a festa que seu outro filho está fazendo.

Mãe – Meu filho não tem tempo para isso, mas obrigada pelo convite.

Homem 2 – Tudo bem. Até mais.

Jovem Rico – Eu não entendo o porquê do meu irmão poder festejar e eu não.

Mãe – Você não precisa de nada disso. Você tem aptidão para os estudos, seu irmão não. Um dia você será um grande mestre, entendedor das escrituras e será um homem extremamente respeitável. Mas para que tudo isso aconteça, você precisa saber todos os mandamentos, ensinamentos e coloca-los em prática. Quanto mais perto da perfeição, mais perto de Deus.